Onde Moram as Casas
FacebookTwitterGoogle+

Onde Moram as Casas

Direitos vendidos para: Brasil, Colômbia.

O livro fala dos locais onde vivemos como espelho do que somos, individual ou coletivamente considerados. Se as pessoas moram nas casas, não é menos verdade que as casas moram nas pessoas, e que, longe de ser algo fútil, mundano ou descartável, o que guardamos e o que fazemos das nossas casas é indicativo do caminho que seguimos, enquanto pessoas, no mundo.

«É isso que este belo livro nos vem dizer: de tanto se habitarem, de tanto se habituarem, casas e pessoas se parecem entre si.» | Fernando Alves, Sinais, TSF.

«Ao quarto livro, Carla Maia de Almeida transcende as arrumações editoriais ao criar um texto que será de recepção infantil, mas que acolhe memórias e sensações sem exclusividade de faixas etárias. » | Sara Figueiredo Costa, Expresso.

«Um passeio poético em que Carla Maia de Almeida vai bem acompanhada.» | Rita Pimenta, Público.

«O livro [...] vive de um entrosamento muito forte entre texto e imagem e assume-se como um projeto de reflexão poética sobre a relação entre as casas e as pessoas. Ou melhor, propõem-se a pensar em casas como se fossem pessoas. Conceito abstrato, sim, e que só um grande cuidado e simplicidade no uso da linguagem, aliada a uma profunda sensibilidade estética, pode transformar o livro no belíssimo objeto que na realidade é.» | Rita Taborda Duarte, Leitura Gulbenkian.

«“Mal entramos, apetece-nos estar. Ou mesmo ficar para sempre”. É o que se sente relativamente à mais recente obra de Carla Maia de Almeida, com ilustrações de Alexandre Esgaio, publicada pela Caminho – Onde Moram as Casas [...].» | Paula Pina, Cria Cria.

«Um álbum sem personagens talvez seja redutor; uma não narrativa excessivo. A casa à imagem da pessoa, a pessoa à imagem da casa: um lugar interior, privado e afectivo, simbólico na sua organização particular, pleno de memórias, narrativas, rotinas. O tempo e a mudança imanente. E um conjunto de divisões como em algum momento sonhámos, a meio caminho entre o que almejávamos desenhar quando crianças e o que identificamos até hoje nas nossas casas, sejam elas físicas ou emocionais.» | Andreia Brites, O Bicho dos Livros.

Editora: Editorial Caminho (2011)
Comprar: Wook