ate_ano_jerusalem
FacebookTwitterGoogle+

Até Para o Ano em Jerusalém

Finalista do prémio PEN Clube Português para Narrativa 2016.

No romance Até para o ano em Jerusalém um homem e uma mulher — Vicente e Maria Luís (Kowalevsky) — cruzam-se ocasionalmente numa festa em casa da narradora; ele, professor de História Contemporânea, temporariamente separado, a terminar um livro, de partida para um semestre de aulas no Rio de Janeiro; ela, artista plástica. Usa como nome artístico o estranho apelido encontrado em cartas de família à beira do lixo, numa mudança.

Apaixonam-se. Mas Maria Luís é seropositiva. Não ficam juntos.

No Brasil, na PUC, Vicente encontra um colega que possui “de verdade” o nome Kowalevsky, de origem judaica. Será este que o leva a pesquisar a origem do nome, a raiz e o rumo do nome. Imiscui-se nesse mundo e será a partir dessa investigação que chega à sua fonte: um refugiado polaco — Iossef — terá saído de Danzig, chegado a Inglaterra, daí aos Açores e dos Açores ao Brasil. Em S. Miguel vive uma paixão que só o fulgor da terra e o presságio das fumarolas expelem. Só depois da sua morte o passado será revelado.

«Até para o ano em Jerusalém deve ser lido pelo muito mais do que nos devolve nas suas páginas, particularmente pelo que me parece ser um dos seus temas predominantes – a nossa identidade por entre a catástrofe, a memória da vida e da morte, do amor e do ódio, de quem e como somos. » | Açoriano Oriental

«Até para o Ano em Jerusalém é um livro que se constrói a três tempos, os quais correspondem a outros tantos espaços. Todos eles são percorridos — perfurados, feridos — por um outro espaço-tempo, que lhes é uma espécie de eixo, mas também uma orla, definindo um limite e uma irresolução.» | Hugo Pinto Santos, Público

Editora: Companhia das Ilhas (2015)
Comprar: Fnac